PROCESSOS DE FABRICAÇÃO

FLUXOGRAMA DE PRODUÇÃO DA CELULOSE

O processo inicia no viveiro com pesquisas e melhoramento genético das mudas de eucalipto. Do Viveiro as mudas vão para o plantio em hortos florestais.

1. COLHEITA

1. COLHEITA

Após um ciclo de 7 anos o eucalipto é cortado, descascado e transportado para a fábrica, operação que ocorre dentro dos plantios onde são cultivados os eucaliptos. Cascas, folhas e galhos ficam na terra para virar matéria orgânica.

2. PRODUÇÃO DE CAVACOS

2. PRODUÇÃO DE CAVACOS

Após esse processo, as toras são levadas para lavagem, picagem em tamanho pré-determinado e peneiramento. A partir daí, os cavacos ficam em uma tela circular (wind fence) e silos.

3. COZIMENTO

3. COZIMENTO

No cozimento, os cavacos formam uma pasta marrom, também chamada de celulose não branqueada. Esse processo, que se chama Kraft, ocorre a 150º C com adição de Sulfeto de Sódio, dissolvendo a lignina e liberando a celulose como polpa de papel de maior qualidade.

4. DEPURAÇÃO, DESLIGNIFICAÇÃO E BRANQUEAMENTO

4. DEPURAÇÃO, DESLIGNIFICAÇÃO E BRANQUEAMENTO

Depuração consiste na separação das impurezas da madeira e dos pedaços de cavaco que não foram cozidos. Depois, é removida a lignina, uma substância que une as células da celulose. No branqueamento, a celulose é submetida a um tratamento químico com agentes oxidantes. Esta operação é feita em 3 estágios até atingir a alvura desejada.

5. SECAGEM

5. SECAGEM

Na secagem, a água da celulose é retirada até que esta atinja um equilíbrio satisfatório com a umidade relativa do ambiente.

6. EMBALAGEM

6. EMBALAGEM

Depois de secas, as folhas de celulose são cortadas e organizadas em fardos, facilitando o transporte.

7. TRANSPORTES

7. TRANSPORTES

Após armazenada, a celulose é enviada a partir do porto coberto e privado da empresa em Guaíba ao Porto Público de Rio Grande por meio do Lago Guaíba e Lagoa dos Patos. Um dos diferenciais da CMPC Celulose Riograndense é ter uma localização próxima a BR 290 que facilita o transporte de madeiras oriundas das mais variadas regiões do Estado.

8. MERCADO

8. MERCADO

A celulose produzida na fábrica de Guaíba é utilizada para todo o mercado externo.

GERAÇÃO DE ENERGIA

GERAÇÃO DE ENERGIA

100% da energia necessária para produção da celulose é gerada pela própria fábrica. A empresa gera energia para uso próprio e comercializa um excedente capaz de atender uma cidade de 200 mil habitantes a partir de resíduos do processo de produção da celulose. Estes resíduos são queimados em uma caldeira e o vapor produzido faz as turbinas funcionarem. Assim, temos vapor e energia elétrica para suprir as necessidades da fábrica.

TRATAMENTO DE EFLUENTES

O avançado Sistema de Tratamento de Efluentes torna a CMPC Celulose Riograndense uma das poucas fábricas no mundo com esta estrutura. A água para o processo de produção de celulose vem do Lago Guaíba. Depois de sua utilização, ela passa pelos tratamentos primário, secundário e terciário para ser novamente devolvida ao lago. A CMPC Celulose Riograndense foi pioneira na utilização desta tecnologia e, hoje, dentre as mais de mil fábricas de celulose presentes no mundo, menos de dez utilizam esta inovação, o que garante uma excelente qualidade ao efluente. O lodo gerado nesta planta passa por um processo de compostagem para ser, posteriormente, vendido ao mercado como fertilizante orgânico, substituindo o uso da terra preta retirada de banhados e matas.

RECICLAGEM E PRODUÇÃO DE FERTILIZANTES ORGÂNICOS

99.7% dos resíduos resultantes do processo de fabricação da celulose são reciclados. A maior parte dos resíduos sólidos gerados pelo processo industrial são tratados pela empresa Vida Produtos e Serviços em Desenvolvimento Ecológico e posteriormente comercializados como insumos agrícolas.

PLANTAS QUÍMICAS E PRODUÇÃO DE CARBONATO DE CÁLCIO

Boa parte dos produtos químicos utilizados pela CMPC Celulose Riograndense são produzidos internamente. O excedente é vendido ao mercado para os setores de tratamento de água, produtos de limpeza, plásticos, borrachas e setor alimentício.

PAPEL

A CMPC Celulose Riograndense dispõe de uma unidade de produção de papéis com capacidade de gerar 60 mil toneladas por ano, que atende o mercado nacional de impressão e escrita.

CONHEÇA OS PRODUTOS DA CMPC

A celulose é um polissacarídeo (similar ao açúcar), sendo o principal componente da parede celular das fibras das plantas.



SAIBA MAIS